segunda-feira, 30 de novembro de 2009

São Paulo - Retificado com base em informação do leitor:

Batalhões de Choque da PM do Estado de São Paulo



Polícia Militar do Estado de São Paulo , uma breve introdução de sua história

Em São Paulo, a 15 de dezembro de 1831, por Lei da Assembléia Provincial, proposta pelo Presidente da Província, Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, foi criado o Corpo de Guardas Municipais Permanentes, composto de cem praças a pé, e trinta praças a cavalo; eram os “cento e trinta de trinta e um”. Estava fundada a Polícia Militar do Estado de São Paulo, em atendimento ao decreto Imperial baixado pelo Regente Feijó. Rafael Tobias de Aguiar, se tornou o patrono da corporação.
Dentro do Província e, futuramente do Estado de São Paulo, a Polícia Militar, assim como o Corpo de Bombeiros, a Guarda Nacional, a Marinha e Exército Fixo, faziam parte da Força Pública de São Paulo.Durante o século XIX a Corporação policial de São Paulo recebeu várias denominações : Corpo de Municipais Permanentes, Corpo de Municipais Provisórios, Guarda de Polícia, Brigada Policial, Força Policial e finalmente, Força Pública, nome com o qual conquistou vitórias e participou de grandes eventos, até já no século XX.
Durante o oitocentos, a Corporação Policial Militar Paulista participou praticamente de todas as campanhas em que o país se viu envolvido, destacando-se a Guerra dos Farrapos, (1838), em que foram combatidos os separatistas da República de Piratini; a colonização dos Campos das Palmas (1839), no extremo da província, hoje pertencente ao Paraná; a Revolução Liberal de Sorocaba, em 1842; a Guerra do Paraguai (1865/1870); a Revolta da Armada e a Revolução Federalista (1893/1894); a Questão dos Protocolos, em que a nova colônia italiana de São Paulo se amotinou, gerando um conflito que não teve maiores conseqüências graças a pronta intervenção da Milícia Paulista; a Campanha de Canudos (1897), quando Euclides da Cunha chegou a elogiar a atuação do 1º Batalhão em terras do Rio Vaza Barris.
A Polícia hoje
A Polícia Militar é hoje uma Organização fardada, organizada militarmente, subordinada ao Governador do Estado, através da Secretaria da Segurança Pública e do Comando Geral da Corporação, e que presta seus serviços dentro do rigoroso cumprimento do dever legal.
Por ser um corpo militar, dispõe de meios e ferramentas para coibir excesso no seio da tropa, fatos esses a que nenhuma organização está imune, mas que, dada a reação draconiana aplicada aos infratores, inibe e desestimula atitudes anti sociais. A maior prova disso é a correta apresentação das estatísticas pela Corporação, incluindo os desvios de seu pessoal e as punições sofridas pelos maus profissionais.

Os Batalhões de Polícia de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo estão divididos em:

I – Comando de Policiamento de Choque (CPChq), sediado na Capital, com:

•1º Batalhão de Polícia de Choque “Tobias de Aguiar” (1º BPChq-BTA), sediado na capital;
•2º Batalhão de Polícia de Choque (2º BPChq, Batalhão Anchieta, sediado na capital;
•3º Batalhão de Polícia de Choque (3º BPChq), Batalhão Humaitá, sediado na Capital;
•4º Foi criado recentemente o 4ºBPChq que é composto pela Cia CANIL, Cia COE e Cia GATE, oriundas respectivamente do 3ºBPChq. (Infomação fornecida pelo nosso Leitor "GLOCK.380").
II – Regimento de Polícia Montada
•Regimento “9 de Julho” (R P Mon “9 de Julho”), sediado na Capital.

Clique Aqui e veja as fotos das viaturas do Batalhão de Choque.



Um comentário:

GLOCK.380 disse...

RETIFICANDO
Foi criado recentemente o 4ºBPChq que é composto pela Cia CANIL, Cia COE e Cia GATE, oriundas respectivamente do 3ºBPChq.
abraço.